Projeto de lei de autoria do Executivo foi aprovado pela Câmara por unanimidade

Edison Correa de Toledo e esposa Lúcia, Maurício Rasi e Luiz Antônio de Moraes descerram placa da avenida Engenheiro Nicolau de Vergueiro Forjaz

A Câmara Municipal aprovou por unanimidade, em sessão extraordinária realiza na última sexta-feira (16/04), o projeto de lei de autoria do Executivo que previa a mudança do nome da avenida 24 de Outubro para “Engenheiro Nicolau de Vergueiro Forjaz”, em homenagem ao mais importante empresário da indústria cerâmica nacional.

Uma cerimônia para marcar a mudança de nomenclatura foi realizada na tarde de segunda-feira (19/04), data de nascimento de Forjaz, em frente a Cerâmica Porto Ferreira, empresa da qual foi fundador e presidente e cujo endereço marca o número 1 da avenida. Estiveram presentes o prefeito Maurício Rasi e a primeira-dama Viviane; o presidente da Câmara, Luiz Antônio de Moraes; o presidente da empresa, Edison Correa de Toledo; os vereadores Carlos César Berque e Sérgio de Moraes Martins; familiares do homenageado, funcionários da CPF e convidados.

O procurador-jurídico do município, Rogério Luís Carlino, foi o mestre de cerimônias. O primeiro a usar a palavra foi o vereador Luiz Antônio de Moraes. Ele falou sobre os entendimentos entre o Executivo e o Legislativo para prestar a homenagem a Nicolau de Vergueiro Forjaz e discorreu sobre a importância de seu pioneirismo na industrialização do município.

Na sequência, o presidente da Cerâmica Porto Ferreira, Edison Correa de Toledo, casado com Lúcia, filha de Forjaz, lembrou várias histórias de seu sogro à frente da empresa. Também agradeceu a todos os responsáveis pela homenagem e aos funcionários e convidados pela presença no evento.

Fechando os discursos, o prefeito Maurício Rasi falou da importância de Nicolau de Vergueiro Forjaz para o município. “Eu, quando morava em Bauru, conhecia esta cidade por causa da Cerâmica Porto Ferreira. E agora podemos fazer uma justa homenagem, resgatando a história do município”.

Em seguida, o casal Edison e Lúcia recebeu flores e um cartão de prata das mãos do prefeito e da primeira-dama. Depois, foi feito o descerramento de uma placa com o nome da nova avenida.

História

De acordo com a “Revista do Centenário de Porto Ferreira”, editada por Orestes Rocha, a avenida ora denominada Engenheiro Nicolau de Vergueiro Forjaz já teve os nomes de “15 de Novembro”, “João Procópio Sobrinho” e “Washington Luiz”.

“A troca de Washington Luiz para 24 de Outubro foi feita por simpatizantes de Getúlio Vargas em 1930 e lembra a data que o presidente Washington Luiz, faltando ainda quase um mês para terminar o mandato, foi deposto, por ter apoiado o paulista Júlio Prestes que, eleito presidente e mesmo sendo reconhecido pelo Congresso, não tomou posse, impedido pelas forças oposicionistas de Getúlio. Conta-se que partidários de Getúlio Vargas, encapuzados e valendo-se de escadas, arrancaram as placas de metal que tinham a indicação de avenida Washington Luiz, jogaram-nas no Moji Guaçu e as substituíram por 24 de Outubro. Depois de muitos anos uma dessas placas foi encontrada e doada ao Museu. A avenida 24 de Outubro foi nossa primeira via pública a receber o plantio de árvores, quando ainda era denominada 15 de Novembro, logo no início do século. Por volta de 1908 suas calçadas já eram atijoladas e em 1915 foram feitas as sarjetas. Todas as ruas eram pedregulhadas e foi também a avenida 24 de Outubro a primeira a ser calçada com paralelepípedos, em março de 1946, na gestão do prefeito Syrio Ignatios”.

De acordo com o pesquisador Benedito Inácio Américo da Silva, havia três placas com o nome de “Avenida Washington Luiz”. Uma realmente está no Museu. Uma segunda, Dito Inácio disse que está em seu poder e será doada à Cerâmica Porto Ferreira, para que seja colocada embaixo da nova placa com o nome da avenida. A suposta terceira placa tem paradeiro desconhecido.

Biografia

Nicolau de Vergueiro Forjaz foi um destes homens que fazem a história, filho de Djalma Forjaz e de Lúcia de Vergueiro Forjaz, trazia no sangue a audácia e o espírito empreendedor de seu antepassado o Senador Vergueiro, figura da regência trina que mudou a história do Brasil, e a honradez e o espírito de luta dos Forjaz. Nasceu em 19 de Abril de 1914 na cidade de São Paulo. Foi casado por quase 53 anos com Jandyra Vianna Forjaz, mulher de excelente estirpe e esmerada educação e que veio a falecer em agosto de 1990.

Deste enlace vieram dois filhos Nicolau de Vergueiro Forjaz Júnior, falecido em maio de 1994 não deixando filhos; e Lucia Forjaz Corrêa de Toledo, casada com Edison Corrêa de Toledo autor desta biografia, tendo este casal três filhas.

Dr. Nicolau como era chamado por todos que o conheceram, começou seus estudos primários na Escola Modelo Caetano de Campos, após cursou o Ginásio do Estado, e finalmente veio a se graduar Engenheiro Civil pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo em 1937.

Desde os 18 anos Dr. Nicolau já trabalhava todos os fins de semana na Fábrica de Louças Porto Ferreira Ltda., viajando de trem de São Paulo a Porto Ferreira aproveitando as horas de viagem para estudar.

Dr. Djalma, seu pai, tinha comprado junto com o engenheiro Dr. Hippólito da Silva, seu cunhado e o amigo de toda vida, Embaixador José Carlos de Macedo Soares, uma massa falida em 1931.

Pouco antes de terminar o curso de engenharia Dr. Nicolau, já noivo na época, tomou talvez a mais importante decisão de sua vida; após terminar a universidade, se casaria com D. Jandyra mudaria para Porto Ferreira e iria dedicar sua vida à fábrica de louças.

Dito e feito realizou tudo conforme tinha decidido e chegou a Porto Ferreira em novembro de 1937, a cidade tinha 2000 almas e nenhuma rua calçada. Os primeiros anos foram duros, desafiantes, com poucos recursos, mas foram felizes.

Assim Dr. Nicolau começou a realizar um sonho, ter uma boa fábrica de louças; mas quem privou de sua companhia sabe bem que isto para ele não bastava.

Foi com muita dedicação, muito trabalho e principalmente com uma força de vontade descomunal que foi construindo sua carreira de empresário e ceramista, chegando a ser por algumas décadas o empresário da cerâmica de maior destaque no país.

Durante sua longa e bela jornada freqüentou vários cursos de administração, economia, tecnologia cerâmica, no Brasil e no exterior.

Empreendeu várias viagens ao exterior, onde freqüentou organizações, instituições culturais, centro de pesquisas e muitas e muitas fábricas de louças e de pisos cerâmicos.

A sua estupenda força de vontade e determinação fizeram dele também um poliglota, falava com bastante perfeição o Inglês, o Francês, o Espanhol e o Italiano, tendo pelas duas últimas particular afinidade, sendo muitas vezes confundido com pessoas de nacionalidade italiana ou espanhola, argentina, principalmente; acho que foi seu gosto pelo tango que o levou a “hablar” como portenho.

Na religião era católico, na política, um democrata e um liberal na economia.

Homem de muita leitura em vários temas e principalmente aqueles que lhe eram mais afetos, tendo escrito inúmeros artigos, feito traduções, dado palestras sobre tecnologia, sobre engenharia, administração, economia e matérias correlatas.

Foi um grande admirador de Peter Druker, tendo traduzido grande parte dos livros de administração deste fenomenal autor da moderna administração.

Abaixo listaremos os cargos que ocupou e suas épocas, a saber:

•         Grêmio Estudantil da Poli: vários cargos em diversas diretorias (1933/ 1937);

•         Cerâmica Porto Ferreira S.A., Porto Ferreira, SP:

–          Assistente da Diretoria (1933-1937)

–          Superintendente (1937/1967)

–          Presidente Executivo (desde 1968)

–          Presidente do Conselho de Administração (desde 1977)

•         Cerâmica Artística Forjaz S.A., Porto Ferreira, SP:

–          Diretor (1954/1965)

•         CAPRI Pisos e Revestimentos Cerâmicos Ltda., Porto Ferreira, SP:

–          Gerente (1954/1965)

•         Transportadora S. Simão Ltda., São Simão, SP:

–          Gerente (1965/1967)

•         CREA, Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura, 6º Região, São Paulo, SP:

–          Conselheiro, indicado pelo Instituto de Engenharia de São Paulo (1960/1961).

•         Fazenda Três Lúcias, Santa Rita do Passa Quatro, SP:

–          Gerente (1954/1959)

•         Revolução Constitucionalista, 1932:

–          1º Tenente do “Corpo Central de Granadeiros”

•         Prefeitura Municipal de Porto Ferreira, SP:

–          Prefeito (1943/1944)

•         Câmara Municipal de Porto Ferreira, SP:

–          Vereador e Presidente

•         Associação Brasileira de Cerâmica, ABC:

–          Fundador, Diretor e Membro do Conselho desde sua fundação em 1954 e Presidente (1964), Sócio Honorário (desde Abril/76).

•         Instituto Mauá de Tecnologia, IMT, São Paulo SP:

–          Fundador, Membro do Conselho Diretor (1961/ 65).

•         Hospital D. Balbina, da Santa Casa de Misericórdia de Porto Ferreira, SP:

–          Membro da mesa desde 1940

•         Associação Latino Americana de Livre Comércio, ALALC, Montevidéu, Uruguai:

–          Representante do Brasil em Reuniões Setoriais (1959/71)

•         Comitê da Indústria Cerâmica Latino-Americana, CICLA, de Bogotá, Colômbia:

–          Fundador em 1969 e membro desde então

•         Consórcio de Apoio Logístico à Exportação dos Produtos de Cerâmica, CONCER, São Paulo SP:

–          Fundador e 1º Presidente (1982/83) e Presidente de Honra (1983)

•         Sindicato da Indústria da Cerâmica da Louça de Pó de Pedra, da Porcelana e da Louça de Barro no Estado de São Paulo, São Paulo SP (Sindilouças):

–          Fundador e membro de sua administração e Presidente de Honra (23/06/1987)

Além de todas as atividades descritas acima que foram exercidas concomitantemente a superintendência e Presidência da Cerâmica Porto Ferreira S.A., nome atual da indústria; foi consultor de várias empresas no Brasil e no exterior no ramo de peças automotivas, cerâmica branca e refratária, empresa holandesa de tubos de PVC e também de mecânica de precisão.

Tomou parte, colaborou financeiramente e como engenheiro em obras em Porto Ferreira idealizou o Jardim Primavera, atuou fortemente na construção da Igreja Matriz de São Sebastião, em todas as obras da Santa Casa de Misericórdia de Porto Ferreira, hoje Hospital Dona Balbina, escolas, centros recreativos, Rotary Clube e muitas outras obras mais de menor relevância. Um de seus últimos atos em benefício de Porto Ferreira foi à doação de toda a área do Aeroporto para loteamento popular e uma ou duas quadras ao Hospital Dona Balbina.

Porto Ferreira cidade que adotou como sua possuindo o título de Cidadão Ferreirense, era para ele, motivo de muito orgulho, tudo de bom que por aqui acontecia chegava a brincar dizendo que Ribeirão Preto e Campinas eram bairros periféricos de Porto Ferreira.

Durante sua vida empresarial foi filiado e muitas vezes fundador ou diretor das seguintes entidades:

•         Associação dos Antigos Alunos da Poli, São Paulo SP;

•         Associação dos Ex-Conselheiros do CREA, 6º região, São Paulo SP;

•         Associação Brasileira de Cerâmica, ABC, São Paulo SP;

•         American Ceramic Society, Colombus, Ohio, USA;

•         Asociación Colombiana de Ceramistas, Bogotá, Colômbia;

•         Asociación Técnica Argentina de Cerámica, ATAC, Buenos Aires, Argentina;

•         Comitê de La Industria Cerámica Latinoamericana, CICLA, Bogotá, Colômbia;

•         British Ceramic Society, Stoke-on-Trent, Inglaterra;

•         Societá Italiana per la Cerámica, ASSICERAM, Bologna, Itália;

•         Instituto de Engenharia de São Paulo, São Paulo SP;

•         Associação dos Diretores de Venda do Brasil, ADVB, São Paulo SP;

•         Jockey Club de São Paulo, São Paulo SP;

•         Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Porto Ferreira, Porto Ferreira SP;

•         Sociedades recreativas, culturais ou beneficentes de Porto Ferreira SP ou São Paulo SP.

Ao longo de sua vida recebeu vários títulos de honra que relacionamos abaixo:

•         Comenda da Imperatriz Leopoldina, do Ministério da Educação e outorgada através do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, São Paulo SP;

•         Título de Cidadão Ferreirense, outorgado pela Câmara Municipal de Porto Ferreira, Porto Ferreira SP (19/04/1967);

•         Medalha Pero Vaz Caminha, do Instituto Histórico e Cultural de São Paulo, São Paulo SP (1976);

•         Sócio Honorário do Clube Rotário de Porto Ferreira, SP conferido em 1971;

•         Sócio Honorário da Associação Brasileira de Cerâmica, ABC de São Paulo SP;

•         Paraninfo ao 29º Curso da Escola de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas, São Paulo SP (1967);

•         Presidente de Honra do CONCER (1983);

•         Presidente de Honra do SINDILOUÇAS (1987).

Depois de uma séria cirurgia que sofreu em 1999, passou a exercer a Presidência da Cerâmica Porto Ferreira através de seu genro Edison Corrêa de Toledo, que já era membro do Conselho de Administração, já tendo carreira feita na companhia ao longo de 30 anos na área comercial; em 1º de dezembro de 2006 nomeou seu genro Presidente Executivo e pretendeu afastar-se por completo da execução.

No dia 02 de janeiro de 2007 faleceu no Hospital Albert Einstein em São Paulo; o sepultamento realizou-se no dia seguinte na cidade de Porto Ferreira, sendo acompanhado por centenas de amigos e admiradores.

O ramo cerâmico, a Cerâmica Porto Ferreira, as associações que fundou, a cidade de Porto Ferreira, seus amigos e familiares sem dúvida sentem-se honrados de terem em suas vidas homem de maior gabarito que foi Dr. Nicolau Forjaz.

Fonte: Família Forjaz

Anúncios